«

»

ago 21

Folclore, Dia Internacional – 22/08 – Parte V

A MEDICINA CAMPEIRA, BENZEDURAS E SIMPATIAS E A LÚDICA INFANTIL

A medicina campeira é baseada na infusão de ervas medicinais e que até hoje é usada em longínquos lugares e que também foram repassadas de geração em geração. A parteira de campanha faz parte deste contexto, assim como as benzeduras, usada para cura de males, físicos e espirituais
Durante muitos anos nos mais longínquos lugares nos chamados “fundos de campo”, a dificuldade de comunicação por qualquer tipo de transporte para acesso à zona urbana em busca de atendimento médico, somado aos ensinamentos herdados dos índios. Tudo isso deu origem aos curandeirismos à base de ervas e benzeduras.
AS ERVAS E OS CHÁS
CHÁ Agrião
Verdura de sabor ligeiramente amargo e bem popular na mesa brasileira. O agrião é um excelente anti-inflamatório das vias respiratórias, muito indicado nas bronquites crônicas. Ele também age contra um mal bem moderno: a nicotina – ainda que, claro, nenhuma planta apague de vez os seus estragos
Alecrim
Na Grécia antiga, ele era erva pa ra toda obra — de cosméticos a incensos, passando por enfeite de coroas. Rico em óleos essenciais como limoneno e cânfora, hoje seu uso medicinal mais comum é em compressas para aliviar contusões e hematomas. Diminui as dores provocadas por doenças reumáticas e articulares.
Alho
O alho é tiro-e-queda contra o colesterol alto, atua como expectorante e antisséptico e, de quebra, é capaz de aumentar a imunidade e aliviar problemas circulatórios. Está lotado de vitaminas como A, B1, B2 e C, além de minerais como enxofre e iodo. Quando o bulbo é triturado, um de seus compostos, o aminoácido aliína, acaba resultando na produção da alicina, substância que dá o cheiro característico e que, acredita-se, seja uma das maiores responsáveis pelos seus propagados poderes.

Arnica
É raro encontrar quem nunca ouviu falar da famosa pomadinha de arnica para tratar um machucado, principalmente aqueles que deixam belas manchas roxas. A fama remonta os tempos das nossas avós e já ganhou comprovação científica: a arnica funciona mesmo como um santo remédio nesses casos. Quem responde por seus benefícios é uma substância chamada quercetina, responsável por aumentar a resistência dos vasos e a irrigação sanguínea. Por isso o coágulo vai sendo removido, apagando a mancha roxa. Já inolina, componente que faz dupla com a quercetina, alivia a dor.

Boldo-do-chile
A boldina, principal componente da planta, estimula a secreção de bile, substância produzida pelo fígado que age na quebra das gorduras. Por isso a erva melhora a digestão e, indiretamente, as funções hepáticas. No entanto, suas folhas não podem ser aquecidas por muito tempo. Se a idéia é dar uma força à digestão, prefira batê-las com um copo de água e beber na mesma hora. Curiosidade: no Chile, o fruto dessa espécie também é consumido como alimento. E, por aqui, tome cuidado: não confunda a espécie com uma versão bem brasileira e facilmente encontrada em hortas e jardins, o chamado falso-boldo (Plectranthus barbatus).
Camomila
Uma das plantas mais usadas popularmente, ela tem presença garantida na grande maioria das chaleiras. Tanto que é um dos chás considerados mais seguros. A erva é muito usada para acalmar cólicas e como anti-inflamatória, graças ao camazuleno, óleo essencial com propriedades anti-inflamatórias. Suas flores são lotadas de substâncias emolientes, que ajudam a manter a hidratação da pele. Por isso a camomila é muito usada na indústria de cosméticos em sabonetes, colônias e xampus.
Carqueja
Extremamente popular no Brasil, ao que parece ela teria sido introduzida aqui pelos escravos africanos. A planta é uma boa pedida quando aquela refeição pesada cai mal e o estômago parece de chumbo: sabe-se que seus óleos essenciais, como o carquejol, atuam nas células hepáticas aumentando a produção da bile. A carqueja também está lotada de componentes amargos, o que também favorece o trabalho do fígado e a digestão. Ela tem ainda um efeito diurético, ajudando a eliminar toxinas.

Erva-cidreira
Também chamada de melissa, esta é uma daquelas ervas que merecem atenção redobrada na hora da compra. Além de ser muito confundida o capim-limão ou com a melissa-bastarda, ela é conhecida popularmente por nomes muito diferentes. Seu chá é ótimo para combater cólicas e gases. Ele também ajuda a relaxar naqueles dias mais tensos, graças ao efeito calmante de seus óleos essenciais.

Erva-doce
Conhecida desde os tempos dos antigos egípcios, seu sabor está presente em alimentos, licores, balas, sabonetes e cremes. Mas além de emprestar seu perfume a guloseimas e cosméticos, ela é um bom remédio contra gases e evita contrações dolorosas do estômago e intestino, as populares cólicas. Isso porque é rica em óleos essenciais que agem na musculatura abdominal. Suas sementes são facilmente encontradas nos supermercados.
Eucalipto
Ninguém discute que ele dá um verdadeiro respiro aos pulmões. O eucalipto tem componentes como o eucaliptol e o citronelol que deixam as secreções mais fluidas e fáceis de ser eliminadas. Seus taninos, por sua vez, reduzem a quantidade de muco. O eucaliptol também dilata os brônquios, facilitando a saída do catarro. Por tudo isso, as folhas dessa árvore perfumada servem de alívio para quem sofre de problemas respiratórios, como asma e bronquite. A inalação dos vapores da planta interfere nos vasos das mucosas do nariz, melhorando a respiração. E o óleo essencial parece barrar a reprodução da bactéria causadora de tuberculose.
Guaco
Originária do Sul do Brasil, a planta era muito usada pelos índios para tratar picadas de cobra. Mas ficou famosa mesmo pelos efeitos contra males respiratórios, cada vez mais confirmados pela ciência. Aclamadas por aliviar sintomas de bronquite, asma e tosse, as folhas de guaco têm ação paliativa nos casos agudos de doenças respiratórias. Elas diminuem o processo inflamatório e têm ação antimicrobiana. Além disso, os compostos da planta _entre eles, a cumarina_ relaxam a musculatura do aparelho respiratório e dilatam os canais por onde passa o ar.
Malva
Na Itália renascentista era considerada um antídoto contra todos os males. Ela possui propriedades anti-inflamatórias e antibacterianas que são muito eficazes no tratamento de problemas da região bucal. Suas folhas combatem inflamações graças às mucilagens e à antocianina, compostos com propriedades antissépticas. Também são ricas em camazuleno, um anti-inflamatório, e por isso seu chá é indicado para úlceras gástricas. Há muitos cremes dentais vendidos em farmácias e supermercados que têm a planta em sua composição.
Pata-de-vaca
Ela ajuda a controlar as taxas de glicose graças a compostos como os heterosídeos e os alcaloides. Já na década de 1940 estudos brasileiros mostravam que um simples chá da planta é capaz de ajudar a equilibrar os níveis do açúcar no sangue. Mas a erva é mais bem aproveitada pelos diabéticos que não dependem de insulina. Quem tem a doença do tipo 1 e, portanto, precisa do hormônio sintético, pode usá-la como um complemento ao tratamento medicamentoso. No entanto, para estabelecer corretamente a dosagem, é preciso estrito acompanhamento médico em qualquer caso.
Pimenta
A pimenta-do-reino (Piper nigrum), originária da Índia, foi uma das especiarias que os europeus buscavam quando, em vez de chegar ao Oriente, desembarcaram na América. Por aqui, em lugar dela, se depararam com outras espécies ardidas do gênero Capsicum, que também ganharam o nome de pimenta. No Brasil, uma das mais comuns é a dedo-de-moça. Quem responde pelo ardor é uma substância chamada de capsaicina. E esse sabor picante tem várias virtudes: facilita a digestão, alivia dores e alguns estudos sugerem até que acelera o metabolismo, dando uma mãozinha a quem quer perder peso.
Pitanga
Seu nome em tupi-guarani – pyrang — significa vermelho. Usada pelos índios e depois pelos colonizadores, a espécie se espalhou chegando ao sul dos Estados Unidos e até mesmo a alguns países asiáticos. A frutinha está lotada de vitamina C. As folhas, por sua vez, têm vários efeitos terapêuticos, inclusive ação bactericida contra micro-organismos como o Staphylococcus aureous. Estudos sugerem ainda uma ação na prevenção do câncer.
Unha-de-gato
Tem forte ação anti-inflamatória e analgésica, graças aos alcaloides, entre eles a mitrafilina e a pteropodina. Seus compostos também estimulam a produção de células brancas, fortalecendo o sistema imunológico. Por isso é muito indicada por quem vive resfriado ou sofre de infecções recorrentes.
Losna
A Losna é uma planta medicinal, também conhecida como Absinto, Erva-do-fel, Alenjo, Erva-de-santa-margarida, Sintro ou Erva-dos-vermes, muito utilizada para ajudar a baixar a febre ou para complementar o tratamento contra vermes.

BENZEDURAS E SIMPATIAS
PARTEIRAS DE CAMPANHA
O atendimento de parteiras em regiões de difícil acesso se dava muitas vezes a cavalo, independente das condições do tempo. Essas mulheres que se dedicavam no auxílio aos trabalhos de parto com a missão de trazer ao mundo vidas, eram as chamadas parteira de campanha. Usando muitas vezes de escassos e rústicos materiais.
BENZEDURAS E SIMPATIAS
Estas funções eram executadas tanto por mulheres como por homens, que traziam de seus ancestrais o conhecimento e principalmente a fé para curar males do corpo e também da alma, como depressão, aflições, e outros. As curas se davam principalmente pela crença e fé. As benzeduras também se aplicam a males como:
MAU OLHADO, QUEBRANTO, DOR DE DENTE, ENXAQUECA, DORES MUSCULARES, PALPITAÇÕES, PROBLEMAS RENAIS, etc.
Exemplo:
SIMPATIA PARA CURA DE QUEBRANTO
Simpatia para tirar quebranto de bebê com arruda
Com um galhinho de arruda, faça o sinal da cruz na testa do bebê rezando a seguinte oração:
“Nossa Senhora dos Montes, com seu bento filho nos braços pensando que ele morria de quebrante e olhado. Com dois te botaram, com três eu tiro, com o poder de Deus e da virgem Maria, Quebrante e olhado, sai-te daqui, que a cruz de Cristo anda sobre ti, Quebrante e olhado, sai-te daqui, que a cruz de Cristo anda sobre ti, Quebrante e olhado, sai-te daqui, que a cruz de Cristo anda sobre ti, Se botaram quebrante na cabecinha, nos bracinhos ou nas perninhas, que Nossa Senhora dos Montes leve para as ondas do mar Sagrado”.
Em seguida, reze um pai nosso e uma ave Maria

O imaginário popular e a crença nas simpatias feitas inicialmente por pessoas idosas que faziam também as benzeduras, tornaram estas práticas eficazes na solução de problemas que vão desde a natureza financeira, sentimental e outras.

ALGUMAS SIMPATIAS:
• Vassoura atrás da porta para visitas indesejadas
• Santo Antônio de cabeça pra baixo num copo dágua para arrumar namorado, ou casamento
• Cura-se bronquite, medindo-se a altura do doente no batente de uma porta, fazendo-se ali um buraquinho onde se enfia mecha de cabelo de sua nuca. Tapa-se o buraco com cera ou sabão.
• Criança que tem ventre virado deve ser agarrada pelos pés, virada de ponta cabeça e seus pés devem ser batidos três vezes na folha de uma porta.
• Tira-se cisco dos olhos, esfregar sobre a pálpebra do olho com cisco, e citar o seguinte verso: Santa Luzia Passou por aqui, passou num cavalinho comendo capim.
• Amarrar um fiapo de palha de milho no dedo mindinho do pé esquerdo, corta soluço.
• Para espinha não deixar marca no rosto. Pegue um pouco de pomada “Minâncora” e dê uma ligeira aquecida, jogando por sobre a espinha um pouco de sal refinado. Aplique a pomada sobre a espinha e só retire quando a pele afetada tiver lhe consumido uma boa parte. Depois de algumas aplicações, a espinha sumirá e não deixará marca.
• Para o cabelo ficar mais forte. Na noite de Lua cheia, corte as pontas do seu cabelo, coloque no tronco da bananeira ou em uma árvore em fase de crescimento.
• Para o cabelo parar de cair. Pegue uma porção de capim-gordura, um litro e meio de água, e deixe ferver bem. Depois, deixe esfriar. Em seguida, lave a cabeça com sabão de coco e , logo após, enxaguar os cabelos com a água do capim-gordura. Fazer esta simpatia três vezes por semana.
• Para acabar com espinha. Pegue três pêssegos já maduros e descasque-os de maneira que as tiras de casca sejam bem finas. Depois coloque as cascas para ferver em água filtrada, de forma que as cascas desmanchem. Coloque as cascas num prato e adicione uma colher bem cheia de mel puro. Deixe passar uns quinze minutos e lave o rosto com a água fria e sabão neutro.
• Para perder peso. Na lua minguante à noite, pegar uma linha amarela, sair no quintal, segurar a linha com as duas mãos olhando para as estrelas. Escolher as bem pequenas, dar um nó e dizer; “Estrela, estrelinha formosa e magrinha, me dê sua magreza que eu dou minha gordurinha”. Depois colocar no pulso. Cada estrela corresponde a um quilo. Tem que ser feita 3 luas minguantes, cada lua uma linha com os mesmos nós. E colocado no pulso.
• Para ter um rosto bonito
• Mantenha, em sua casa um ponte ou filtro de barro com água de chuva. Ao acordar e antes de dormir, lave o rosto com bastante dessa água, depois espalhe suco de limão e mel de abelha em partes iguais. Deixe por meia-hora, depois volte a lavar com água de chuva e um sabonete neutro ou de glicerina. Enxugue apertando a toalha contra pele, sem esfregar.
Para curar bronquite. Pegar coco, devendo furá-lo naquele olho, tirando a sua água e colocando dentro mel puro de abelha. Fechar o buraco com uma rolha de cortiça. Embrulhe o coco num plástico e enterre, deixando assim por sete dias. Marcar a hora que enterrou e no sétimo dia , no mesmo horário, desenterre, dando 3 colheres do mel para a criança, se for adulto 3 colheres grandes (manhã – tarde – noite)
• Para dor de ouvido. Primeiramente, limpe cuidadosamente o ouvido. Se usar cotonete, não o introduza profundamente pois pode causar danos mais sérios. Extraia o suco de três dentes de alho ou de um galho de arruda, aqueça ligeiramente, molhe um pedaço de algodão e coloque-o no ouvido dolorido. Repita uma hora depois, se a dor não passar totalmente.
• Para mulher conquistar o amado. Escreva o nome completo dele num cigarro com filtro. Depois acenda o cigarro e deixe queimar até o fim. Não precisa Fumar. Pegue o filtro e jogue na frente da casa da pessoa que você gosta e não conte nada a ninguém.
• Para o rapaz arranjar namorada. Conseguir três penas de qualquer passarinho e três pétalas de rosas, de qualquer cor. Conservá-las embrulhadas no bolso e ir trocando de bolso de vez em quando.
• Para terminar com um amor. Escreva o nome da pessoa no chão ou na areia. Encha um litro de água de rio. Jogue em cima do nome formando uma cruz, até a água do litro acabar. Quebre o litro, bem quebradinho, e enterre bem fundo em lugar onde as pessoas não passem.
• Para nunca faltar dinheiro. Coloque 3 moedas no fundo de um saleiro. Nunca deixe faltar sal em cima das moedas. Dinheiro na mão o resto da vida.
• Para nunca perder o dinheiro. Pegue três moedinhas e três balas, ou três docinho. Jogue as balas e as moedinhas num jardim, oferecendo a Cosme e Damião, desejando que nunca mais perca dinheiro.
• Para que não tenha prejuízos. Antes de sair de casa, pela manhã, pegue um raminho de arruda e papasse-o no peito em cruz, por três vezes, na pele do peito.
• Para ganhar mais dinheiro. Pegue seu chaveiro que contenha todas as chaves da casa e friccione-o durante dez minutos. Em seguida coloque as chaves uma a uma sobre a mesa de refeições, em forma de cruz e reze um Pai-Nosso. A simpatia deve ser realizada às 12 horas.

ALGUNS FATOS FOLCLÓRICOS GAÚCHOS
A lúdica infantil
Ciranda cirandinha, Terezinha, Atirei o pau no gato, ovo podre, Vosso rei mandou pedir, passa anel, Sapata, cinco marias, jogo de bolitas, dominó, cabra cega, o rato roeu a roupa do rei, o padre pedro prega prego na parede, lingua do “P”.
BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS
No Rio Grande do sul assim como em outras regiões as brincadeiras infantis e os brinquedos usados pelas crianças, tinham origem na lúdica baseada nos objetos que se dispunha, nos escassos recursos materiais da época e na criatividade.
GADO DE OSSO
Assim a brincadeira com gado de osso, se tornou popular nas regiões mais distantes, principalmente no meio rural onde havia um maior contato com as sobras de ossos das carcaças soltas pelo pátio depois de descarnadas pelos cachorros. Nessa brincadeira que participava na maioria era feita de forma individual ou com poucos participantes, constava na composição de uma verdadeira “tropa” que era montada com ossos de diferentes tamanhos. Com o conhecimento repassado pelos mais velhos, alguns que exerciam a profissão de tropeiro, a criançada criava o ambiente de estância, com cercamentos e carretas, construídas muitas vezes por eles mesmos e de tropa sendo conduzidas.
OUTRAS BRINCADEIRAS:
Dentro do contexto folclórico gaúcho sobre a lúdica infantil, existem outras brincadeiras que são conhecidas em várias regiões do país e do mundo, sendo elas:

COLETIVAS, onde participam duas ou mais crianças
Jogo do pião; corrida do saco, jogo de bola de gude ou bolinha de gude, que nas regiões de fronteira com Uruguai e Argentina chamado também de bolita; cabra cega, pula corda; cama de gato; esconde-esconde; corrida do saco; corrida do ovo; cinco marias; jogo do taco; passa anel; brincadeiras de roda, peteca, etc.

INDIVIDUAIS , nestas só é possível a participação de uma criança para cada brinquedo
Toca aro; puxa rolo; perna de pau; bruxinha de pano, etc.

Por Cesar Tomazzini.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas
Nenhuma descrição de foto disponível.
A imagem pode conter: 1 pessoa, em pé e atividades ao ar livre
Nenhuma descrição de foto disponível.
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e atividades ao ar livre

Deixe uma resposta