Deprecated: mysql_connect(): The mysql extension is deprecated and will be removed in the future: use mysqli or PDO instead in /home/chasquepampeano/public_html/Connections/Connection.php on line 18
Chasque Pampeano:Visão de uma Paraibana sobre o Acampamento Farroupilha...

Visitante Nº:
contador de visitas

  Aqui as últimas notícias do meio tradicionalista...

 

 

 

14/10/2015

Visão de uma Paraibana sobre o Acampamento Farroupilha
 
  O ACAMPAMENTO FARROUPILHA.... Via Blog do Léo Ribeiro

...NA VISÃO DE UMA PARAIBANA
180 anos da Revolução Farroupilha - uma experiência multissensorial vivida por uma filha da Paraíba em terras gaúchas
Por Viviana Florentino Guerra
Desde que me entendo por gente, tenho fortes lembranças do quanto a cultura e a tradição gaúcha me fascinam. Eu era bem pequena, quando vi na TV, não lembro em que ocasião, a imagem de um gaúcho pilchado e uma moça vestida de prenda. Jamais esqueci daquela cena: o homem sobre um cavalo, manobrando com maestria um laço, a camperear atrás de um novilho. Veja bem: não lembro de detalhes que poderiam ser importantes para justificar um relato como esse. Porém, a imagem do homem ostentando lenço vermelho envolto em seu pescoço, bombachas, laço em punho emoldurando um semblante obstinado, bem como a imagem da moça bonita, de longos cabelos negros, trajando um longo vestido enfeitado com bicos de renda, mangas longas, até o punho, fechado até o pescoço, acompanhando com o olhar aquele moço no cavalo, coberta de recato, jamais apagou-se de minhas memórias. Quando adolescente, durante férias de junho, meu companheiro de tardes chuvosas era o Érico Veríssimo e seu O Arquipélago, que confesso, naquela época, embora tenha gostado da narrativa pouco compreendi sua profundidade, o que não diminuiu minha paixão pueril. Anos mais tarde, já adulta, amadureci-a com a leitura dos primeiros livros de sua trilogia, O tempo e o vento. A partir de então, a essência gaúcha fez em minha alma morada para sempre.
Porém, nunca consegui entender o por quê de tamanha paixão. Eis que chegou a hora de compreender o sentido desse sentimento grandioso. E para tanto, fiz uma experiência multisensorial durante os últimos três dias da festa em comemoração aos 180 anos da Revolução Farroupilha.
Ao adentrar no Parque Harmonia, local do evento no centro de Porto Alegre, uma sensação de minuano me rodeando já prenunciava o que eu encontraria (ou reencontraria?) naquele lugar: os piquetes, o cheiro de churrasco, as cores dos lenços ostentados nos pescoços dos gaúchos pilchados, vestindo bombachas e botas enlameadas -e, me desculpem aqueles que discordam, mas eu achei que deu um charme a mais ao cenário -, as cintas, rastas, boleadeiras, guaiacas, malas-de-garupa, ponchos coloridos, tiradores, chapéu de barbicacho, rebenques e esporas, chiripás e, claro, a cuia de mate passando de mão em mão nas rodas de conversa. Conversas estas que abordavam muitas vezes as razões que levaram aquele povo à proclamar uma república, depois de desafiar um império inteiro e seus desmandos, que, quando contextualizadas à situação atual, compreende-se facilmente porquê aquele povo tornou-se uma forte referência quando o assunto é bravura, luta, justiça e determinação na defesa dos costumes e interesses de suas gentes.
É notório o orgulho daquela gente sobre suas tradições e o que conseguiram com sua obstinação: preservar uma tradição durante décadas a fio, a ferro e fogo. Há quem pense e diga com todas as letras que os gaúchos comemoram uma guerra que nunca ganharam. Penso eu, e a história não me deixa mentir, que a guerra farrapa, de fato, não teve o êxito desejado por alguns de seus líderes, e até mesmo de muitos gaúchos saudosos. Porém, uma coisa é certa a meu ver, e nesse ponto, a história comprova meu ponto de vista: a ousadia e a coragem em desafiar um império e demonstrar sua insatisfação com o tratamento dispensado à porção mais ao sul do Brasil é coisa pra tomar-se como exemplo pelas lideranças populares e culturais dos demais estados em toda e qualquer época. Uma coisa eu garanto: outra seria a visão que teríamos de nós mesmos e sobre nossa identidade cultural, nossos valores e nossa representatividade política e social no mundo, tal como ocorre com o povo gaúcho, como bem descreve o trecho do Hino Rio Grandense:
"Como a aurora precursora o farol da divindade Foi o 20 de Setembro O precursor da liberdade(...)
(...)Sirvam nossas façanhas De modelo a toda Terra"

Outra coisa que impressionou-me bastante: ô povo hospitaleiro, viu?! Antes de minha viagem concretizar-se ouvi comentários maliciosos sobre o humor do gaúcho, sobre a maneira hostil que trata os visitantes, em especial nordestinos como essa que vos escreve. Quão surpresa eu fiquei, ao ser apresentada às inúmeras pessoas que prestigiavam a festa como uma paraibana que estava ali para conhecer a tradicional festa farroupilha, sendo recebida com largos sorrisos abertos de satisfação, sinceros e respeitosos, muitos conhecedores de minha terra natal, admiradores da cidade onde nasci, de sua cultura e tradições, de seus sabores e cheiros, de sua musicalidade e clima, a darem-me as boas-vindas, acolhedores e receptivos, assim como meus conterrâneos. Nem de longe aquelas pessoas pareceram as descritas nos agora esquecidos e dispensáveis comentários negativos que ouvi.

com Cícero Augustus Chemin
Conheci personalidades fantásticas. Grandes expoentes da cultura gaúcha como o Lobisomem, um senhor vestido à caráter com quem tive o prazer de conversar por cerca de vinte minutos e tomar uns tragos da saborosa cachaça de butiá, ouvindo música gaudéria. Sua solicitude e receptividade foram tamanhas, a ponto de fazer questão de posar para uma foto. Um feito memorável para alguém que acabara de chegar de tão longe. E o que dizer da receptividade do senhor Jader Leal? Um artista da terra que compõe e canta suas tradições encantando pessoas como todos no Rio Grande. Tive a sorte grande de prestigiar seu show na primeira noite que cheguei à festa e sorte maior ainda de poder cruzar seu caminho casualmente e assim, pessoalmente, dar-lhe os parabéns, claro, registrando o momento para a posteridade. Como não poderia ser diferente, o artista foi solícito e receptivo, com misto de grande humildade e orgulho, aceitou os elogios pelo seu trabalho.

Com Jader Leal
Outra admirável figura a quem fui apresentada e que me deu enorme prazer em trocar muitas boas idéias sobre as tradições gaúchas, dando-me uma visão ainda mais ampla daquele universo para mim tão singular através de seu espírito crítico e aguçada percepção foi o senhor Léo Ribeiro de Souza, com quem tive a honra de sentar à mesa e apreciar um fabuloso costelão 12 horas assado no fogo de chão pelo Senhor Reginaldo, outro grande conhecedor das tradições tanto gaúchas como nordestinas. Além da excelente comida, compartilhamos um mate e boa parte da tarde foi para somar conhecimento e cultura com a troca de idéias comuns e até divergentes.

com Léo Ribeiro de Souza
Sobre a gastronomia: eu que nunca pensei que espinhaço de ovelha fosse algo de se comer, comi que lambi os dedos. Literalmente. Comemos, eu e meu guia mui especial, o Senhor Cícero Augustus Chemin e a minha conterrânea, Giuliana França, paraibana de nascimento mas gaúcha de coração, já há quase dez anos vivendo em Porto Alegre e muito feliz, diga-se de passagem. Sem cerimônia nem fricote, degustamos com as mãos os saborosos pedaços de espinhaço de ovelha servidos no almoço no piquete da DMLU, acompanhado do tradicional arroz carreteiro. Ai, ai... coisa bem boa!! Não há como não sentir-se em casa em ambiente tão hospitaleiro e acolhedor. Eis aí, a resposta que vim buscar; o motivo para tamanha paixão está na hospitalidade, na acolhida, na receptividade do povo gaúcho com "todos os gaúchos de todas as querências".

com minha conterrânea Jiuliana França
Dos monumentos:
o Laçador é como um Colosso de Rodes gaúcho, que recepcionou-me bem à moda gaudéria, desafiando a chuva que vinha medonha e teimou em concentrar-se em terras gaúchas, conferindo uma atmosfera ainda mais bucólica e "veríssima" à minha experiência. O Monumento às Cuias é intrigante e belo ao mesmo tempo. Esse utensílio feito de cabaça que cabe numa palma de mão, com formato de seio (ou têta) anda de boca em boca nas rodas de conversas ou faz companhia àqueles gaúchos em sua peculiaríssima solidão, desde remotos tempos, sendo este um costume introduzido pelos índios que habitavam aquelas terras quando da ocupação jesuítica tem um monumento dedicado à sua presença no cotidiano gaúcho.

Monumento ao Laçador Das inúmeras pessoas que conheci, gostaria de agradecer especialmente à Carla Sigal, e ao Senhor Reginaldo, casal que recebeu-me muitíssimo bem em seu piquete, onde pude ouvir tanto elogios à minha terra quanto boas e valiosas histórias sobre as tradições gaúchas, que não só impressionaram-me como também enriqueceram meu imaginário e experiências ali vividas de corpo, alma e coração. Carla gentilmente cedeu algumas de suas imagens para compor este relato.
Viver a festa farroupilha é sentir-se inteira dentro da trilogia do Veríssimo. É ter seus poros invadidos pela história. É absorver cultura campeira de forma insólita, impensável. É compreender o gauchismo na sua essência. E respeitá-lo e admirá-lo ainda mais. Com alma e coração independente de onde estes cheguem, a vontade é não ir mais embora. Rio Grande, majestoso e formidável encantador de pessoas: voltarei ao teu regaço. E, capaz de não te largar mais!   Jornal Virtual Chasque Pampeano
Guimarães - Editor
F:9987.5880
https://www.facebook.com/Paulorobertoguimaraes
Twitter Guimarães:http://twitter.com/notas_guimaraes

 

 


Você também pode publicar um artigo de sua autoria no Jornal Virtual Chasque Pampeano. Mande seu texto e/ou foto, Cliques aqui para enviar:CHASQUES

Volta para página inicial