Deprecated: mysql_connect(): The mysql extension is deprecated and will be removed in the future: use mysqli or PDO instead in /home/chasquepampeano/public_html/Connections/Connection.php on line 18
Chasque Pampeano:O Tradicional Fandango Gaścho – Parte I...

Visitante Nº:
contador de visitas

  Aqui as śltimas matérias do meio tradicionalista...

 

 

 

24/03/2008

O Tradicional Fandango Gaścho – Parte I
 

Raul Annes Gonçalves, gaúcho de Passo Fundo-RS e criado na estância de seu pai, Raphael Barcellos Gonçalves, no município de Rosário do Sul, e fazendeiro em Livramento e Alegrete, na sua obra Mala de Garupa: costumes campeiros, Porto Alegre: Martins Livreiro, 1999, 3ª ed., p. 90-91, assim relata, no artigo O Baile e o Gaiteiro, como eram os fandangos gaúchos de antigamente: Lá pelos anos de 1926, neste município de Santa Rita e Porteirinha – atualmente Pampeiro -, na zona do Tarumã, seguidamente fazíamos bailes. Dançava-se de bombacha e botas, lenço no pescoço e sem esporas, nada de fatiota. O piso era de chão e iluminado por candeeiros e algum lampião de querosene. Pela manhã, o gaúcho ao assoar-se ou meter o dedão no nariz, constatava uma matéria preta que ali era depositada pelo picumã proveniente da iluminação e pelo pó que levantava do chão batido. (...) A duração do baile ia do cair da noite ao sair do sol; e não se perdia a marca. (...) Dançava-se aos sábados, visando o domingo para um bom descanso. A música era sempre animada só por uma gaita, raras vezes acompanhada de um violão. O gaiteiro era responsável pelo bom andamento do baile, conforme seu repertório e resistência. Havia gaiteiro que, com exceção de algum fôlego para tomar um trago e uma xícara de café com rosquinhas, pela volta da meia-noite, não parava nunca de tocar. Era necessário ter peito para puxar um fole de gaita a noite inteira. Mas se encontrava quem assim o fizesse. O gaiteiro não ganhava mais de 60 mil réis, o ordenado mensal de um peão, que trocado em nossos dias equivale a um salário mínimo. O pagamento do tocador era de responsabilidade da rapaziada que dançava, que dividia o montante pelo número de dançarinos. Não se utilizavam automóveis, que ainda eram raros. A condução para as famílias era o tílburi ou carretinha puxada por uma junta de bois. A rapaziada e algumas moças vinham a cavalo, com seus arreios domingueiros. Como era lindo ver a saída de um baile. Os gaúchos enamorados escaramuçando seus pingos, debandavam à procura da condução de sua prenda que já havia partido; outros a galope, abanando com o chapéu, aos gritos para os companheiros, rumavam para seus ranchos ou estâncias. Tudo ali era alegria, entusiasmo e confiança uns nos outros. Bons tempos eram aqueles...

Essa a base do tradicional fandango gaúcho; esse o conhecimento que todos devem obter ao ingressar no Tradicionalismo organizado, para a necessária formação das suas consciências culturais e imprescindíveis práticas de atuação de autênticos Tradicionalistas Gaúchos Brasileiros!

 

 

Fonte: Bombacha Larga

 

 


Você também pode publicar um artigo de sua autoria no Jornal Virtual Chasque Pampeano. Mande seu texto e/ou foto, Cliques aqui para enviar:CHASQUES

Volta para página inicial