Deprecated: mysql_connect(): The mysql extension is deprecated and will be removed in the future: use mysqli or PDO instead in /home/chasquepampeano/public_html/Connections/Connection.php on line 18
Chasque Pampeano:A Coerência entre a teoria e a prática Tradicionalistas...

Visitante Nº:
contador de visitas

  Aqui as últimas matérias do meio tradicionalista...

 

 

 

24/02/2008

A Coerência entre a teoria e a prática Tradicionalistas
 

 

Todos os que militam no Tradicionalismo Gaúcho, por uma questão de coerência cultural e obrigação moral-institucional, devem trabalhar em prol do culto, da preservação, defesa e divulgação da Tradição Gaúcha dos Sul-brasileiros. Sabe-se, contudo, que entre a teoria e a prática há, muitas vezes, uma grande distância. Embora haja marcos regulatórios existentes nas diversas áreas da convivência humana, nem sempre eles são observadas da forma como o deveriam. O Estatuto do MTG/RS, por exemplo, estabelece, no seu artigo 2°, que o órgão tem por objetivo congregar as Entidades Tradicionalistas, preservar o Núcleo da Formação Gaúcha e a Filosofia do Tradicionalismo, decorrente da sua Carta de Princípios. E esta, de acordo com o parágrafo único do dispositivo, é Cláusula Pétrea do referido Estatuto. A Lei Maior do Tradicionalismo estabelece dentre outros princípios o de preservar o nosso patrimônio sociológico representado, principalmente, pelo linguajar, vestimenta, culinária, forma de lides e artes populares (inc. VI, art. 2., Estatuto MTG/RS). Essa é a base teórica do MTG, a filosofia orientadora de toda a prática tradicionalista gaúcha brasileira. Portanto, ao ser anunciada uma determinada programação pelo Movimento Tradicionalista Brasileiro, a mesma deve estar redigida conforme o linguajar típico e tradicional dos gaúchos campeiros do Rio Grande, em observância ao que prescreve aquela sua Diretriz Maior.

Assim, o evento Cante e Encante seu CTG deveria estar titulado pelo MTG/RS como "Cantes e Encantes teu CTG"É a própria Diretriz Filosófica do Tradicionalismo que informa àquele órgão que ele deve se dirigir ao público gaúcho tradicionalista tendo por base o pronome pessoal “tu” e não o “você”, como acontece atualmente. Sem o exercício dessa coerência cultural a Entidade peca pelo mau exemplo, ao descumprir e desrespeitar a filosofia que a fundamenta como órgão cultural preservacionista do linguajar típico dos gaúchos da campanha sulina brasileira. 

Dessa forma, no sítio do MTG/RS na Internet deveríamos ler, sempre, termos como "saibas", "conheças", "adquiras", "cliques", por mais corretos e adequados à Filosofia que rege aquele MTG.

Quanto à falta de atitudes na fiscalização e na moralização das suas Entidades filiadas, ao deixar de coibir a execução de ritmos e compassos gaúchos não tradicionais e a ausência ou o uso incorreto da pilcha típica dos gaúchos do Rio Grande, no interior das suas Entidades Tradicionalistas, estas abstenções, omissões, caracterizam a prática do grave crime de lesa-cultura regional gaúcha sul-brasileira, praticado por um órgão que tem o dever institucional de preservar as Tradições dos Sulistas Brasileiros e que, no mínimo, deveria estar cumprindo com os seus próprios objetivos e fins. Mas enquanto continuarem essas desídias, o Tradicionalismo continuará a ser um meio fictício, onde os Tradicionalistas serão cada vez menos encontrados. A continuar o desrespeito aos postulados básicos da sua Filosofia, o que se verá é a continuidade da decadência desse Movimento Cultural. Certamente que continuarão a ganhar com isso os grandes interesses do mercado e de alguns politiqueiros que exploram e desnaturam o rico patrimônio cultural dos gaúchos brasileiros. Estes, além de tentar dizimar a cultura nativa do Rio Grande do Sul, também continuarão a corromper certas consciências nada tradicionalistas. Praticar segundo a teoria é óbvio, o elementar, em se tratando de preservação de uma cultura regional-tradicional. Do contrário, não haveria sentido algum em se ter um movimento preservacionista, conservadorista, tradicionalista; nem as inúmeras previsões estatutárias e regulamentares; nem as decisões e deliberações aprovadas nas diversas instâncias do Tradicionalismo Gaúcho Brasileiro.

Os atos que mitigam esses deveres, essas obrigações morais e estatutárias, para atender aos interesses dos mercadistas, caracterizam-se como uma forma de corrupção cultural. Por isso os Cidadãos Tradicionalistas, na condição de reais detentores da cultura regional do Rio Grande do Sul, exigem de todos o devido respeito à Filosofia Tradicionalista; o cumprimento de seus princípios por todos aqueles que se propuseram, como dirigentes ou integrantes do Movimento Tradicionalista, a cultuar, preservar, defender, cultivar e divulgar as autênticas Tradições Gaúchas; os genuínos usos e costumes tradicionais dos Gaúchos Campeiros do Brasil!

Fonte: Bombacha Larga

 


Você também pode publicar um artigo de sua autoria no Jornal Virtual Chasque Pampeano. Mande seu texto e/ou foto, Cliques aqui para enviar:CHASQUES

Volta para página inicial